Catar revela projeto do estádio da final da Copa de 2022

27/12/2018 23h23
Crédito: divulgação/Assessoria Crédito: divulgação/Assessoria

O governo do Catar revelou o projeto do Lusail Stadium, arena que vai abrir e encerrar a Copa de 2022. Com capacidade para 80 mil pessoas, será o maior do torneio que terá seu início no dia 21 de novembro de 2022 - o primeiro da história no mundo árabe.

Localizado a 15 km ao norte de Doha, capital do país, o estádio está sendo construído no centro da cidade de Lusail, que foi erguida do zero no meio do deserto catari e, segundo o Supremo Comitê de Entregas e Legado (SC, na sigla em inglês), está 90% pronta. Desenhada por um escritório de arquitetura britânico, a arena com fachada em cor ouro teve inspiração no estilo arquitetônico árabe e nas tradições artesanais da região.

A construção do estádio está sendo feita por um consórcio entre duas empresas: uma do Catar (HBK Contracting Company) e uma da China (China Construction Corporation). Com o alicerce concluído e as arquibancadas já quase todas erguidas em sua fase de concreto, os trabalhos já estão sendo feitos nas áreas internas - no dia do anúncio, na metade de dezembro, operários usavam uma esmerilhadeira para dar acabamento nas peças de aço.

O estádio estará pronto em 2020, segundo o Catar. Ele é o nono projeto revelado pelo comitê local. O Khalifa International Stadium foi o primeiro, anunciado ainda em 2017, antes mesmo da Copa da Rússia. Outras duas arenas ficarão prontas ainda em 2019: o Al Wakrah e o Al Bayt.

"Já se foram oito anos desde que nós ganhamos o direito de sediar a Copa da Fifa e dissemos ao mundo que esperasse algo espetacular. Com esse belo projeto do nosso estádio principal, eu estou orgulhoso hoje de novamente estar entregando o que prometemos", disse o secretário do comitê, general Hassan al-Thawadi, durante o evento.

"O novo estádio é um nódulo do nosso passado e o símbolo de um futuro excitante. O mesmo lugar em que nasceu o fundador de nossa pátria, a arena está no coração de uma cidade totalmente nova", agregou.

Al-Thawadi ainda afirmou que o total de custos com a construção do estádio será de cerca de R$ 3 bilhões e que o Catar espera entre 1,2 e 1,7 milhão de visitantes durante o torneio. O executivo afirmou ainda que a decisão de expandir a Copa de 32 para 48 times será tomada após um estudo de viabilidade, que deve ser encerrado em março. A Fifa também espera anunciar a quantidade de seleções em 2019.

Depois da Copa de 2022, o Lusail Stadium vai ser transformado em um espaço comunitário, com escolas, shopping, cafés, facilidades esportivas e até um hospital, afirmou o comitê. Para que tudo funcione após o torneio, muitos dos assentos modulares da arena serão removidos e doados para projetos esportivos ao redor do mundo.

Batendo rivais como Austrália, Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos, o Catar venceu o escrutínio da Fifa em 2010, colocando o país em questão sobre o tratamento com migrantes trabalhadores.

Em setembro, a Anistia Internacional encontrou dezenas de migrantes trabalhando na cidade que vai receber a final da Copa sem receber salários. A denúncia ganhou repercussão mundial depois que foi publicada na rede britânica BBC. Um porta-voz do governo catari disse, na ocasião, que as empresas envolvidas no caso não estavam relacionadas com a construção de estádios, mas apenas da cidade.

O presidente da Fifa, o italiano Gianni Infantino, afirmou recentemente que a Copa do Catar vai deixar "um grande legado". "No lado social, a Copa tem tido um impacto muito importante em toda a região", disse durante visita ao Catar em outubro. "Quando você pensa em todos esses debates sobre direitos humanos e bem-estar dos trabalhadores, sem a Copa do Mundo, eles não teriam acontecido, assim com as melhorias que foram feitas não aconteceriam sem o Mundial" completou.

Há 30 mil trabalhadores nos canteiros de obras dos estádios e da estrutura do Catar para o torneio - a maior parte deles é do exterior. Em sua maioria, filipinos.

Assessoria de Comunicação

 

Envie seu Comentário