Grupo argentino dá início ao projeto do porto em Murtinho

12/04/2019 14h48
CG Notícias CG Notícias

O pedido de licença ambiental de instalação do terminal portuário em Porto Murtinho formulado pelo grupo argentino Navios South American Logistics, uma das maiores empresas em operação nas hidrovias da América Latina, demonstra a tendência da região em se transformar em polo exportador de Mato Grosso do Sul e reforça a política do Governo do Estado de fomento ao transporte fluvial, que se encontrava estagnado.

O grupo requereu o processo de licenciamento junto à Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), na quinta-feira (11.4) durante reunião de sua diretoria executiva com o titular da pasta, Jaime Verruck. A Navios Logísticas projeta a construção de um porto multimodal para grãos e líquidos, com investimento inicial de R$ 110 milhões, entrando em operação em dezembro de 2020.

Para o secretário Jaime Verruck, a manifestação oficial da empresa em relação ao empreendimento consolida o plano estratégico do Estado de promover o desenvolvimento hidroviário para reduzir custos e assegurar competitividade a produção de Mato Grosso do Sul no mercado internacional. A escolha da Hidrovia do Paraguai como melhor opção para superar os gargalos em logística, segundo ele, também transformará a região de Porto Murtinho.

"Os investimentos em infraestrutura portuária mostram que o governo tomou uma decisão correta ao criar em 2005 o Programa de Estímulo à Exportação ou Importação (Proeip), fomentando o transporte pela hidrovia com incentivos fiscais e reabrindo o terminal de Murtinho, fechado há oito anos", disse ele: "Hoje trabalhamos em um projeto ainda maior, com a consolidação da rota bioceânica, que também passará pela mesma região."

Uma nova Paranaguá

A chegada de novos empreendedores e o crescimento vertical das exportações de grãos pela hidrovia, nos últimos anos, é resultante de uma política pública implementada pelo Estado, que viabilizou a hidrovia e busca implementar outros modais de logística, como a ferrovia. Verruck destacou que essa tomada de decisão do governador Reinaldo Azambuja tornou a hidrovia, abandonada por governos anteriores, em um meio estratégico de transporte.

"Quando o Estado tem uma política clara de incremento em logística os investimentos em infraestrutura são uma consequência, e Porto Murtinho hoje é a demonstração disso, com três grandes projetos de novos terminais em andamento", ressaltou. "Com certeza, Murtinho se tornará a nova Paranaguá de Mato Grosso do Sul, concentrando o maior volume de exportações e importações de grãos, insumo e líquidos pelo Rio Paraguai", completou.

O secretário considerou o projeto da Navios Logísticas arrojado, observando a determinação do grupo em iniciar as operações em um curto espaço de tempo – em dezembro de 2020. Citou que a estrutura a ser montada é multifuncional e contará com quatro tanques de 15 mil m³ cada, dando suporte às importações de derivados de petróleo, além de atender as demandas da refinaria a ser instalada no Estado com nafta e outros insumos.

Menor custo de transporte

O terminal com modelo de suporte e design de última geração terá capacidade para 80 mil toneladas de grãos (três silos e um armazém), além da estrutura de tancagem, com sistema ágil e eficiente de carga e descarga simultâneo e três posições independentes de barcaças. A estrutura prevista, conforme o projeto, vai agilizar o transbordo e reduzir a demora na movimentação das cargas no pátio e o tempo de trânsito na hidrovia.

"Estamos entusiasmados com a perspectiva de logística e negócios com esse porto", afirmou o diretor-executivo do grupo, Cláudio Lopez, após se reunir com o secretário Jaime Verruck. "É uma região de potencial crescimento em infraestrutura e comércio, e acreditamos que reduzindo custos e acrescentando eficiências na cadeia de logística melhoraremos o poder da produção de Mato Grosso do Sul, além de gerar empregos", acrescentou o empresário.

Fundada em 1955, a Navios Logísticas atende às necessidades de armazenamento e transporte marítimo de seus clientes por meio de terminais portuários, barcaças fluviais e cabotagem costeira. O negócio está focado em dois importantes mercados de transporte na América do Sul: o sistema hidroviário e o comércio de cabotagem ao longo da costa leste da América do Sul. "Temos uma longa história de atuação na região", disse Cláudio Lopez.

O grupo hoje transporta minérios de Corumbá e opera com porto seco em Nueva Palmira, localizado na confluência dos rios Paraná e Uruguai, e em San Antônio, no Paraguai. O porto de Murtinho oferecerá ao mercado, em especial ao agronegócio de Mato Grosso do Sul, um sistema operacional integral que consistirá em transportar os grãos e outras cargas até Nueva Palmira (Uruguai) e de lá chegar aos mercados europeus e asiáticos com menor custo e tempo.

Silvio Andrade – Subsecretaria de Comunicação.

 

Envie seu Comentário